sexta-feira, 26 de junho de 2009

“En voz desmayada y baja” - Ernesto Goldar, Buenos Aires- Argentina

“En voz desmayada y baja”

del poeta

ERNESTO GOLDAR

será presentado por

GRACIELA MATURO y LUIS CARLOS CALVO

el día jueves 13 de agosto

a las 19,30 horas

en la

Librería Gandhi

Av. Corrientes 1743 (Centro Ciudad)

sexta-feira, 19 de junho de 2009

ANA PAULA INÁCIO – POETA DE PORTUGAL

ANA PAULA INÁCIO- POETA DE PORTUGAL
QUERIA QUE ME ACOMPANHASSES

Queria que me acompanhasses

vida fora

como uma vela

que me descobrisse o mundo

mas situo-me no lado incerto

onde bate o vento

e só te posso ensinar

nomes de árvores

cujo fruto se colhe numa próxima estação

por onde os comboios estendem

silvos aflitos

( in: POETAS SEM QUALIDADES, Averno, nov. 2002)

SONETO DA DISTANTE AMADA - VANDA LÚCIA DA COSTA SALLES – POETA DO BRASIL

VANDA LÚCIA DA COSTA SALLES – POETA DO BRASIL DIRETORA T.A.A.R-BRASIL

SONETO DA DISTANTE AMADA

Esqueceste a nossa canção?

Segue amena, no turbilhão da noite

Ó ingrata, como pode? Como consegue?

=========================

Se a poesia era quem regava nosso jardim

E nossos olhos, enfim, enxergavam além do dia

O que ninguém mais conseguia...

==========================

Rodopiávamos como crianças... Lindos! Soltos!

Acariciando todos os sonhos que imaginávamos haver

Mas de repente, enregelados, perdidos...

Nos encontrávamos, sem um porquê.

=============================

Ah! Distante amada e do meu olhar tão longe

A embrutecer toda a saudade dos nós sem fim

Na madrugada triste da noite fria

Que ainda gela, gela, dentro de mim!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

ALGUÉM DENTRO DO POEMA - Silvia AIda Catalán- Argentina

Silvia Aida Catalán- Fundadora y Diretora Gral. de T.A.A.R- Argentina

ALGUÉM DENTRO DO POEMA

“Un día tomé entre mis manos tu rostro” Rainier María Rilke “Um dia tomei entre minhas mãos tua face” Rainier María Rilke

Poesia é você...

Quando respira com música à flor da pele,

É como se a espiga de trigo

Debulhasse o pão

Sempre se dando

naturalmente.

Amo a ternura de sua face

Assim como dorme, e torna-se

divindade pelas sombras das noites,

em que busco apaixonada

contemplar-te.

Nesta distância,

Não sei desde que tempo

É que só a brisa do vento,

Adormecida nuvem...em devaneios fica

Ouvindo versos.

Caminho...

Pés descalços

e braços mortos...

Acho que o amor, sozinho

nomeia-te desde o nascimento,

E agora, além intento,

ver-te com a luz de cada astro

atravessar nos traços

de minhas mãos...

Silvia Aida Catalán-

Libro "O Chamado Das Musas

Libro: "O CHAMADO DAS MUSAS"

JOSÉ TERRA- POETA CARIOCA

JOSÉ TERRA- POETA CARIOCA

AVENIDA BRASIL

As estrelas não brilham no céu da cidade

Porque o asfalto não é azul!...

Avenida Brasil

Um bisturi verde-e-amarelo

Rasgando os seios da cidade

Onde a manhã metálica

Se descortina aos nossos olhos.

Avenida Brasil:

O azáfama interurbano

Na têmpera do dia-a-dia

Avenida Brasil:

Uma procissão forjada em aço

Em louvor à escravidão

Ou uma sinfonia de buzinas

Ou um desfile de carnaval

Avenida Brasil.

Ë o Brasil na avenida,

Nas chaminés das fábricas

A fumaça

O cano-de-descarga

A massa operária

O Brasil expedido no ar

Avenida Brasil...

É mais Brasil que avenida

Alguma coisa louca

Que sobe e desce

que entra e sai

que vai e volta

Alguma coisa sem rumo.

Postes de luz em movimento

O azul o céu em movimento

Placas de sinalização passando aceleradas

E o atropelamento das fábricas...

Avenida Brasil,

O Brasil zumbido em nossos ouvidos

Como as sirenas das ambulâncias

O corpo de bombeiros

A polícia ...

Avenida Brasil

É mais uivo que Brasil

Uma penumbra de gemidos

A noite ofegante dos motéis

O amor –horário

De telefones e campainhas

Avenida Brasil é um Brasil em alta rotatividade.