quinta-feira, 8 de outubro de 2009

DANIELA SELENE LORENZINI SÁNCHEZ- ARGENTINA-TRADUÇÃO DE VANDA LÚCIA DA COSTA SALLES‏-BRASIL

Daniela Selene Lorenzini Sanchez- Argentina

DAS ROSAS AS PÉTALAS

Espera.

Sabe que o tempo

Devolvera as rosas,

Assim como a praia

O mar

fala de beijá-la

na próxima onda.

Espera...

sabe que a brisa

não borrará as imprensões,

nem todas as cores

apressará uma tarde bela.

Ela espera...

com os faróis acesos no céu

refletindo sua inocência.

Ela espera...

sem saber,

que foi o esquecimento

quem das rosas

roubará as pétalas

uma tarde qualquer.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

“En voz desmayada y baja” - Ernesto Goldar, Buenos Aires- Argentina

“En voz desmayada y baja”

del poeta

ERNESTO GOLDAR

será presentado por

GRACIELA MATURO y LUIS CARLOS CALVO

el día jueves 13 de agosto

a las 19,30 horas

en la

Librería Gandhi

Av. Corrientes 1743 (Centro Ciudad)

sexta-feira, 19 de junho de 2009

ANA PAULA INÁCIO – POETA DE PORTUGAL

ANA PAULA INÁCIO- POETA DE PORTUGAL
QUERIA QUE ME ACOMPANHASSES

Queria que me acompanhasses

vida fora

como uma vela

que me descobrisse o mundo

mas situo-me no lado incerto

onde bate o vento

e só te posso ensinar

nomes de árvores

cujo fruto se colhe numa próxima estação

por onde os comboios estendem

silvos aflitos

( in: POETAS SEM QUALIDADES, Averno, nov. 2002)

SONETO DA DISTANTE AMADA - VANDA LÚCIA DA COSTA SALLES – POETA DO BRASIL

VANDA LÚCIA DA COSTA SALLES – POETA DO BRASIL DIRETORA T.A.A.R-BRASIL

SONETO DA DISTANTE AMADA

Esqueceste a nossa canção?

Segue amena, no turbilhão da noite

Ó ingrata, como pode? Como consegue?

=========================

Se a poesia era quem regava nosso jardim

E nossos olhos, enfim, enxergavam além do dia

O que ninguém mais conseguia...

==========================

Rodopiávamos como crianças... Lindos! Soltos!

Acariciando todos os sonhos que imaginávamos haver

Mas de repente, enregelados, perdidos...

Nos encontrávamos, sem um porquê.

=============================

Ah! Distante amada e do meu olhar tão longe

A embrutecer toda a saudade dos nós sem fim

Na madrugada triste da noite fria

Que ainda gela, gela, dentro de mim!